Eu li: Sussurro

terça-feira, julho 27, 2010

"Se apaixonar nunca foi tão fácil… ou tão mortal. Para Nora Gray, romance não era parte do plano. Ela nunca se sentiu particularmente atraída por nenhum garoto de sua escola, não importa o quanto sua melhor amiga Vee os empurre para ela. Não até a chegada de Patch.

Com seu sorriso tranquilo e olhos que parecem enxergar dentro dela, Nora é atraída por ele contra seu bom senso. Mas após uma série de acontecimentos aterrorizantes, Nora não sabe em quem confiar. Patch parece estar onde quer que ela esteja, e saber mais que ela do que seus amigos mais íntimos.
Ela não consegue decidir entre cair nos braços dele ou correr e se esconder. E quando tenta encontrar algumas respostas, ela se acha próxima de uma verdade que é bem mais perturbadora do que qualquer coisa que Patch a faça sentir. Pois Nora está bem no meio de uma antiga batalha entre os imortais e aqueles que caíram – e, quando se trata de escolher lados, a escolha errada poderá custar sua vida."


Pensei mil vezes antes de comprar esse livro, todo mundo tava lendo e não queria ser mais uma a ler o que os outros estavam lendo. Odeio isso!! Mas depois de participar do LiveBlogging do Sussurro que a Karina do KariDoRead fez, onde eu ri muito com as conversas delas descrevendo o Patch e a Nora, e de outras muitas bobeirinhas picantes que contaram; então me rendi, comprei e li. 

Li muito rapido e amei cada linha. Nele o leitor acha de tudo: romance, suspense, diversão, e até um pouquinho de terror (eu achei algumas partes de darem medo!). Mas vale muito à pena cada linha, paragáfo e capitulo. Só não gostei de uma coisinha: Não tem uma prévia de Crescendo!! Fiquei inconformada com isso.

Nora, deixou a desejar em muitas coisas. É a protagonista bobinha que cai nas garras do bonitão/sexy/charmoso/misterioso. Não achei nada criativo; pois só de olhar para ele, ela se descobriu apaixonada por ele. Tipo, tedioso!!

Dou o braço a torcer pois as meninas tinham toda razão: Quem não se apaixonar pelo Patch é uma boba, pois ele é tudo o que o livro descreve e mais alguma coisa. Fiquei hipnotizada em várias partes do livro, e de boca aberta em outras. Para alguém tão sexy, senti falta de algumas coisas mais picantes entre eles.


“Meu corpo parecia ter descartado a parte lógica do meu cérebro. Asfixiado, para ser mais exata. Deslizei as mãos pelo peito dele e enlacei seus pescoço.Patch me ergueu pelos quadris,e envolvi a cintura dele com as pernas. Meu coração estava disparado, mas não me importei nem um pouco. Apertei minha boca contra a dele, desfrutando do êxtase de ter sua boca na minha, as mãos dele em mim, quase queimando minha pele...”



Quando um livro é escrito em primeira pessoa, pois é a Nora que narra, eu sempre sinto falta de como a outra pessoa está se sentindo. É algo mais forte do que eu, eu sei disso. Tem umas partes lindas do Patch contando o que sente, que me fez suspirar demais. Eles são muito fofos!

Adorei o final. Não vou falar nada, pois eu não gosto de estragar o prazer alheio. Leiam, eu muito mais que recomendo. É muito bom, mesmo que em algumas partes eu tenha achado algumas coisas bem parecidas com Twilight. É inevitável a comparação! Não me entendam mal, são totalmente diferentes, mas algumas coisas são semelhantes.

Agora só me resta esperar ansiosamente Crescendo... Intrínseca publica logo!!!!

XOXO,

Quero Ler #3

segunda-feira, julho 26, 2010

Algo parece estranhamente familiar em relação a Daniel Grigori. Solitário e enigmático, ele chama a atenção de Luce logo no seu primeiro dia de aula no internato. A mudança de escola foi difícil para a jovem, mas encontrar Daniel parece aliviar o peso das sombras que atormentam seu passado: um incêndio misterioso levou Luce até ali. Irremediavelmente atraída por Daniel, ela quer descobrir qual é o segredo que ele precisa tanto esconder... mesmo que isso a aproxime da morte



Título: Fallen
Autor: KATE, LAUREN
Tradutor: LIMA, ALDA
Editora: GALERA RECORD
N° de Páginas: 406

Livraria Cultura:   Compre Aqui

Eu sempre fico muito empolgada com um bom lançamento. E foi isso o que acabou de acontecer agora enquanto eu estava lendo uma prévia de Fallen. A Galera Record disponibilizou o primeiro capítulo para os curiosos (como eu!!), e já curti de cara. Veja aqui.

Assim que soube que a Record ia lançar esse livro, de cara, já me apaixonei pela capa. Achei muito linda, porque amo um bom drama e parece muito com rock, o que gostei mais ainda. A menina da capa me lembrou a Amy Lee do Evanescence. Vocês acharam também, ou eu sou louca? (rsrsrs)

E o Daniel... ai que fofo!! Quem não leu, leia por favor, é só clicar aqui. Eu já estou apaixonada por ele. Gosto muito quando é o menino que é o protagonista e ele conta a história.
Com certeza, na minha próxima ida na Livraria vou trazer esse livro comigo. Se tivesse lido antes, ele já estaria nas minhas mãos, mas a procrastinação faz isso com a pessoa. Não sejam como eu tá!!

Mas vamos ter que esperar um pouquinho pois o livro ainda está em pré-venda, e só estará disponivel para venda no começinho de agosto.
Eu ainda não li, mas já estou recomendando que os interessados leiam.

XOXO,

Meus Presentinhos #2

Esse mês foi bem cheio de surpresas. Encontrei muitas coisas que queria comprar. E adorei todos eles, então vou mostrar para vocês quais foram.



Diários de Carrie - Candace Bushnell
Sussurro - Becca Fitzpatrick
Escola de Sabores - Erica Bauermeister (já resenhei!)
O Diário de Bridget Jones - Helen Fielding (que me senti obrigada a ler por causa da Ju do Lost In Chick Lit)
Persuasão - Jane Austen (sou obcecada pela Jane e seus livros perfeitos!)



Então foram essas meus presentinhos desse mês. Espero que tenham gostado...

XOXO,

Filme: O Noivo da Minha Melhor Amiga

domingo, julho 25, 2010

Essa semana eu fiquei estaganada de felicidade, porque saiu uma notícia fantástica. Meu livro favorito vai virar filme, e as gravações já estão em pleno andamento.
Eu o considero o melhor livro que eu li no ano passado. O Noivo da Minha Melhor Amiga, da escritora Emily Giffin, que eu já resenhei aqui.

Sinopse: "O Noivo da Minha Melhor Amiga conta a história de Rachel, uma jovem advogada de Manhattan. A moça, sempre vista por si mesma e por seus amigos como a "certinha" e bem-comportada, muda radicalmente no seu aniversário de trinta anos, após a festa oferecida por sua melhor amiga, Darcy. Meio deprimida por chegar aos trinta sem o marido e os filhos que imaginava ter a essa altura da vida, Rachel se excede na comemoração e termina a noite na cama com Dex, seu grande amigo de faculdade e noivo da sua melhor amiga. Até a noite em que ficou com Dex, Rachel era o modelo de filha e amiga perfeita, embora se visse como um fracasso. Nunca transgrediu as leis, nem mesmo as de horário de trabalho, ao contrário da egoísta, narcisista mas irresistível Darcy, em torno da qual Rachel e, posteriormente, Dex sempre orbitaram. Enquanto a boa moça e tímida Rachel teve alguns poucos namorados e conseguiu um emprego estável porém sem graça num escritório de advocacia, a linda e popular Darcy namorou todos os bonitões do colégio, construiu uma glamourosa carreira de Relações Públicas e sempre conseguiu tudo o que quis, inclusive manipular e obrigar Rachel a fazer o que desejava. E agora, após uma noite com o noivo da melhor amiga, Rachel acorda determinada a esquecer para sempre o fatídico encontro, mas acaba descobrindo que sempre amou Dex. E, apesar da amizade a Darcy, começa a perceber que ela não é exatamente o que se espera de uma melhor amiga. À medida que a data do casamento se aproxima, Rachel se desespera com a urgência da decisão que precisa tomar e acaba passando por uma profunda reavaliação de sua vida, para concluir que "certo" e "errado" são conceitos muito relativos. Narrado em primeira pessoa por Rachel, o livro ganha a simpatia do leitor pela empatia da protagonista, que expõe suas dúvidas e sentimentos de forma muito honesta e humana. E o final reserva grandes surpresas."


E as novidades não acabam por aqui não. Os atores escalados para o elenco são os melhores possíveis. Começando pela minha atriz favorita, Kate Hudson que interpretará a amiga traída, Darcy. Fiquei triste pois no livro eu odiei a Darcy, por ela ser muito esnobe; mas espero que a Kate me surpreenda com a sua atuação e faça a personagem ser melhor do que o livro a descreve.




Já jovem advogada Rachel que será responsável em dar vida a ela, é a atriz Gennifer Goodwin. Na minha humilde opinião, ela será perfeita para o papel, pois tem uma beleza única, e não é essas atrizes superficiais que existem por aí; e é uma atriz consagrada desde O Sorriso de Monalisa (que eu amo!)


John Krasinski, que faz parte da versão americana da série The Office, será nosso noivo/gato, Dex. Ficou conhecido nos filmes Licença Para Casar com Mandy Moore, e Dreamgirls, O Amor Não Tira Férias e Soldado Anônimo.




A Alcon, responsável pelo filme, também comprou os direitos de A Noiva Traída, continuação da comédia romântica escrita pela mesma autora.


Mais infelizmente, o filme só sai ano que vem, sem data prevista ainda. Essa é uma oportunidade para quem ainda não ler, tirar um tempinho e colocar esse livro na sua lista. E não se esqueçam que não acaba por aí, tem o  Amiga Traída (Something Blue), que a versão da Darcy depois do acontecido.





 XOXO, da Lisse

P.S: E não esqueçam que a Editora Novo Conceito está relançando o livro Ame O Que É Seu, da Emily Giffin.

Eu vi: Maluca Paixão

segunda-feira, julho 19, 2010

"Mary Horowitz (Sandra Bullock) é uma mulher excêntrica que trabalha criando palavras cruzadas. Ela está convencida que Steve (Bradley Cooper), um cinegrafista da CNN, é o grande amor de sua vida. Para tanto passa a persegui-lo ao redor do país, na esperança de convencê-lo de que foram feitos um para o outro."

Lá na locadora, não dei crédito nenhum a esse filme. Pensei: "Outra comediazinha sem graça e sem sal!", e outra vez o tiro saiu pela culatra porque gostei do filme. Muito divertido!

Ela é uma mulher que as vezes enfia os pés pelas mãos, o que faz com que as pessoas não se identiquem com ela por ser muito diferente das pessoas "normais". O filme tem uma moral muito legal no final, onde nem tudo aquilo que é "normal" é o melho e o mais interessante. Gostei muito.

A Sandra Bullock tem feito uns filmes muito descontraidos desde Miss Simpatia, e tem dado muito certo; esse estilo combina muito com ela. E depois de ter visto o filme e pesquisado sobre, vi que a atriz foi indicada como Pior Atriz para esse filme. Eu achei ridículo, pois o filme mostra muitas coisas interessantes, e além do mais é um comédia quase romântica, e é a base da história; não achei que a Sandra estava ruim não, estava muito engraçada. Deve sim, indicar como Pior Indicação, isso sim, pois ás vezes os que indicam parecem não saber de nada na verdade.




Assistam, pois eu recomendo!! E vale a pena ver a Sandra com suas botas vermelhas inseparáveis!

XOXO,

Eu li: O Homem dos Meus Sonhos

domingo, julho 18, 2010

"Hannah Gavener tem 14 anos no verão de 1991. Nas revistas que lê, as celebridades planejam casamentos cinematográficos; mas sua realidade, na vida adulta, está distante disso. Em que momento da vida não podemos mais vincular nossos erros a uma infância complicada? Um romance sensível e inteligente sobre o conflito entre as fantasias de uma jovem mulher sobre família e amor; e os desafios da vida adulta."


Título: O Homem dos Meus Sonhos
Autora: Curtis Sittenfeld
I.S.B.N.: 8501076910
Idioma : Português
Número de Paginas : 252



Gostei de como o livro foi dividido. São três partes bem diferentes. Mas os capítulos são enormes, o que tornou a leitura um pouco cansativa, e demorei para terminá-lo. Cada uma das partes conta uma fase da vida de Hannah. A primeira parte conta a sua infância e como era o relacionamento dos seus pais e sua irmã. Os pais de Hannah estão prestes a se separar, e esse rompimento deixará marcas profundas em sua vida. É possível que em algum lugar entre esses dois extremos talvez as respostas as mais complicadas questóes do amor. Mostra também uma familía grande, e como todos estão na vida um do outro. E o grande sonho de Hannah é encontrar seu parceiro ideal.

Mas ao longo dos seus quase quinze anos, mudando-se da Filadélfia para Boston e depois para Albuquerque, Hannah vai descobrindo que suas dúvidas transformaram-se em algo ainda mais complexo. Em que momento da vida não podemos mais vincular nossos erros a uma infância problemática? Ficar com alguém que não é sua alma gêmea é um ato de maturidade ou admissão do fracasso? E se mudar para outro estado por causa de um homem que talvez não retribua o seu amor mostra que você é corajosa ou apenas patética?

Já a segunda parte nos leva à sua vida na faculdade, seu não relacionamento com ninguém e como se sente frustrada com isso. Ela é uma pessoa muito difícil, complicada e instável. Foi engraçado algumas vezes e em outras um xarope muito ruim de se engolir. Nenuhm dos relacionamentos que permeiam a vida da protagonista á simples. Há o pai e sua inflexibilidade, que, infelizmente, ela herdou; a bela prima Fig, e seu comportamento inadequado, que tanto irrita Hannah; Henry, o seu primeiro e platônico amor; a irmã perfeita, Allison; e os namorados, que a amam mais ou menos do que ela merece, que adoram ou partem seu coração.

Já a terceira parte é tediante. Pois a protagonista não tem um final que se espera. Chegando aos 30 anos , ela finalmente decifra seus desejos, mas ainda não sabe se terá coragem para perseguir o que quer. Esperava muito mais desse livro, e ainda bem que não comprei ele, peguei emprestado da minha miguxa Ibis. Já o tinha vista na livraria no ano passado e achei a história muito interessante, mas infelizmente Curtis Sittenfeld me decepcionou bastante; não vou desistir tão facilmente assim, espero ler em breve Preliminar - Os Altos e Baixos de Lee Fiora, que dizem ser muito bom.

XOXO,

Eu vi: Te Amarei Para Sempre

sábado, julho 17, 2010

"Henry DeTamble (Eric Bana) conheceu Clare Abshire (Rachel McAdams) quando tinha apenas 6 anos, em um campo perto da casa de seus pais. Logo eles se tornaram grandes amigos, avançando para confidentes e depois amantes. Só que há um problema: o futuro de Clare é o passado de Henry. Ele é um viajante do tempo, devido a uma modificação genética rara que o faz levar a vida sem saber em que época estará. O fato de Henry conhecer o futuro sempre incomodou Clare, mas agora a situação se inverteu. Quando Henry volta no tempo para encontrar Clare aos 6 anos, é ela que, em sua fase adulta, sabe qual será o futuro de seu amado."

Quando eu entrei na locadora achei essa capa muito fofa, esse certamente seria um filme que eu veria, sem dúvida nenhuma. A capa foi muito bem feita, mas para quem pega o filme pela primeira vez e ainda não teve tempo de dar uma olhadinha na internet, não sabe que esse filme é a versão cinematográfica do livro "A Mulher do Viajante do Tempo" de Audrey Niffenegger. 

Eu sinceramente nem desconfiei porque a capa não dá nenhum indício do que seja o filme, e eu odeio ficar lendo sinopse de filmes na contra-capa, geralmente escolho por causa da capa.

Deixando de enrolação e falando do filme. É lindo!! Não tenho outra palavra que o defina melhor que isso. Achei que o livro deixaria a desejar, e olha que eu já li muitas resenhas sobre esse livro. Mas quem ainda tem dúvidas se devo ou não ler o livro, depois de ver o filme, suas dúvidas somem.

Gostei de muitas coisas no filme. Primeiro vale a pena ficar 107 minutos na frente da TV vendo o gatinho do Eric Bana, que já fez muitos outros filmes como Hulk, Falcão Negro em Perigo, emprestou a sua voz para Anchor em Procurando Nemo, Tróia, Monique, Bem-Vindo ao Jogo, A Outra, Star Trek e Tá Rindo Do Quê?. Tem também a linda Rachel McAdams, que é uma das minhas atrizes preferidas, quem já viu Diário da Nossa Paixão sabe do que eu estou falando. A personagem que a interpreta quando criança, a jovem Brooklynn Proulx, é uma gracinha.





Um tema diferente, tocante, que ninguém é capaz de imaginar que será possível. Uma pessoa amar outro além do tempo e espaço. Achei muito diferente do que estamos acostumadas a ver. Sempre alguém que morre, traí, que se sacrifica; mas nada como isso que o diretor Robert Schwentke coloca á nossa frente.

Recomendadíssimo!!

XOXO,

Lançamento: Ame O Que É Seu da Emily Giffin

sexta-feira, julho 16, 2010

Uma das minhas escritoras preferidas é a Emily Giffin. O Noivo da Minha Melhor Amiga, elevou meu conceito sobre Chick Lit, e me fez amar seu estilo de escrita. Ame o que é seu, infelizmente não é meu livro preferido dela, pois ainda não li; mas espero fazê-lo em breve.

Mas aí você deve estar se perguntando: "Eu já vi esse livro? Não é lançamento?" É realmente! É que a Editora Novo Conceito está lançando uma edição revisada desse livro que deve ser maravilhoso.

O livro ao lado é a edição anterior e o livro abaixo é a nova edição, ficou muito linda, não? Esse rosto ficou muito bom!

Título: Ame o Que é Seu
Título Original: Love The One You're With
Autor: Emily Giffin
Editora: Novo Conceito
Assunto: Auto-Ajuda
ISBN: 9788599560532
Tipo de Capa: BROCHURA
Edição: 1
Número de Páginas: 312
Compre Aqui




"Como amar de verdade a pessoa que está comigo, se não consigo esquecer alguém que ficou no passado?".


O tema deste livro é aquela pulga atrás da orelha de imaginar como seria a vida se tivéssemos feitos outras escolhas. Esta é uma história para quem algum dia já se perguntou

Em "Ame o que é Seu" o leitor encontrará a história de Ellen, uma mulher dividida entre o amor real e aquele fatídico " E, se".

O casamento de Ellen e Andy não parece perfeito, ele é perfeito. São inegáveis a profundidade da devoção mútua e o quanto um desperta o melhor do outro. Mas por obra do destino, certa tarde, Ellen revê Leo pela primeira vez em oito anos. Leo, aquele que partiu seu coração sem se explicar, aquele que ela não conseguiu esquecer.


Quando o reaparecimento dele desperta sentimentos há muito adormecidos, Ellen se põe a questionar se sua vida atual é de fato como ela queria que fosse.


O desenrolar da história é contagiante, pois a cada página acontecem novas cenas que é quase impossível abandonar a leitura, ou ... não se colocar em seu lugar.

Este romance figura nas principais listas norte-americanas há 20 semanas e todos os comentários são muito parecidos: "Seus romances são cativantes e sensíveis, difíceis de largar". É comparada pelos leitores a Marian Keys, autora de Melancia, Férias e Sushi.

Então preparadas para  uma excelente leitura? Eu estou!

XOXO,

Túnel do Tempo #1 - Marvin Gaye



Hoje vou começar uma nova coluna no LFM, chamada Túnel do Tempo. Consiste em falar sobre artistas da música que com seu grande potencial deixaram o mundo da música mas sua alma permanece conosco.

Escolhi falar hoje sobre Marvin Gaye, que é um dos meus cantores preferidos, com uma voz excelente. Let's Get It On é minha música preferida.



Marvin Gaye  mas conhecido como Marvin Pentz Gay, nasceu em Washington em 2 de abril de 1939. Foi um cantor popular de soul e R&B, nascido Marvin Pentz Gay, Jr., foi um cantor popular de soul e R&B, arranjador, multi-instrumentista, compositor e produtor. Ganhou fama internacional durante os anos 60 e 70 como um artista da gravadora Motown.

Ele foi o primeiro filho e o segundo mais velho de quatro filhos do pastor evangélico Marvin Pentz Gaye Sr. e da professor/dona-de-casa Alberta Cooper. Com as irmãs Jeanne e Zeola e o irmão mais novo Frankie, viviam na zona segregada da capital norte-americana, no bairro da Deanwood. Ainda novo, ele era carregador de tacos de golfe no Norbeck Country Club, em Olney, Maryland. O pai de Gaye pregava com pastor na Igreja Adventista do Sétimo Dia chamada House of God (a "Casa de Deus"), que tinha um rigoroso código de conduta misturado a ensinamentos do judaísmo ortodoxo e pentecostalismo. Crescendo na igreja de seu pai, Marvin começou a cantar desde cedo no coral - aos 3 anos - e a tocar instrumentos. A música era uma espécie de válvula de escape para o jovem, que durante toda a infância costumava apanhar do pai diariamente. Durante o tempo em que esteve na high school, Marvin começou a ouvir doo-wop e ingressou no DC Tones como um baterista. Após abandonar a Cardozo High School, Gaye alistou-se na Força Aérea dos Estados Unidos. Após o fingimento de uma doença mental, ele foi dispensado por ter se recusado a seguir ordens.

Após abandonar as Forças Aéreas em 1957, Gaye começou sua carreira musical em vários grupos, mais fixando-se em um popular grupo de Washington DC, chamado The Marquees. Lançaram o single "Wyatt Earp" em 1957 pela gravadora Okeh e foram então contratados por Harvey Fuqua para o grupo The Moonglows. "Mama Loocie", lançada em 1959 pela gravadora Chess, foi o primeiro e único single de Gaye com os Moonglows. Junto com os Moonglows, Gaye assimilou várias técnicas, utilizadas posteriormente, nos álbuns que produziria. E foi com ajuda dessa banda que ele foi apresentado a empresários da cena musical. Foi apresentado a Berry Gordy, presidente da Motown Records. Ele contratou Gaye primeiramente como baterista de estúdio, para tocar para grupos como The Miracles, The Contours, Martha and the Vandellas, The Marvelettes, entre outros. Gaye tocou bateria para as Marvelettes na canção "Please Mr. Postman", em 1961, e para a versão ao vivo de Little Stevie Wonder para a canção "Fingertips Pt. 2", de 1963. Ambas canções alcançaram o primeiro lugar na parada norte-americana da Billboard.

Depois de iniciar sua carreira na Motown, Gaye mudou seu nome de Marvin Gay para Marvin Gaye, acrescentando o '"e"' para se separar do nome de seu pai, para encerrar os boatos em curso em torno de sua sexualidade e ainda para imitar seu ídolo, Sam Cooke, que havia também acrescentado um 'e' ao seu sobrenome. Gaye desejava gravar para a Motown, mas Berry Gordy tinha receio quanto ao cantor, devido ao fato de que Gaye não costumava seguir as ordens sobre as quais a gravadora queria que ele cumprisse. De acordo com um documentário do canal de televisão VH1, a namorada de Marvin - e irmã de Berry -, Anna Berry Gordy, convenceu o irmão a assinar com Gaye. Berry concordou em deixar que Marvin gravasse versões pop-contemporâneas de baladas românticas baseadas no jazz. (Gente mas o cara foi casado hein. Coitado!!)

O início da carreira do cantor foi em 1961, na Motown, onde Gaye rapidamente se tornaria o principal cantor da gravadora e emplacaria numerosos sucessos durante os anos sessenta, entre eles "Stubborn Kind of Fellow", "How Sweet It Is (To Be Loved By You)", "I Heard It Through the Grapevine" e vários duetos com Tammi Terrell, incluindo "Ain't No Mountain High Enough" e "You're All I Need to Get By", antes de mudar sua própria forma de se expressar musicalmente. Gaye é importante por sua luta por produzir seus sucessos, mas criativamente restritivo - no processo de gravação da Motown, intérpretes, compositores e produtores eram geralmente mantidos em áreas separadas.

Com seu bem-sucedido álbum What's Going On, de 1971, e outros lançamentos subsequentes - includindo Trouble Man, de 1972, e Let's Get It On, de 1973( minha música preferida), Gaye, que vez ou outra compunha canções para artistas da Motown no início da sua carreira, provou também que poderia tanto escrever quanto produzir seus próprios discos sem ter de confiar no sistema da Motown. Ele é também conhecido por seu ambientalismo, talvez mais evidente na canção "Mercy Mercy Me (The Ecology)".



Durante os anos setenta, Gaye emplacou vários sucessos, como "Let's Get It On" e "Got to Give It Up". Já no começo dos anos oitenta, seria a vez do hit "Sexual Healing", que lhe rendeu - antes de sua morte em Los Angeles no dia 1° de abril de 1984) - dois prêmios Grammy. Até o momento de ser assassinado pelo seu pai, Gaye tinha se tornado um dos mais influentes artistas da cena soul. Em 1996, Gaye foi homenageado na 38º cerimônia do Grammy Awards.

A carreira de Marvin tem sido descrita como uma das que "abarcam toda a história do R&B, dos anos cinquenta ao soul contemporâneo dos anos oitenta." Críticos têm também afirmado que a produção musical de Gaye "significou o desenvolvimento da black music a partir do rhythm'n blues, através de um sofisticado soul de consciência política nos anos setenta e de uma abordagem maior em assuntos de cunho pessoal e sexual."

E essa é só um pouquinho da história da vida de um artista completíssimo que eu achei no Wikipedia. Porque ele é fantástico! Muitas pessoas  pensam que música como a dele, dos anos 70 e 80 é brega; mas era nessa época que as melhores músicas foram feitas, onde os casais dançavam agarradinhos, onde tinha a verdadeira paquera entre os jovens e onde podia confiar numa pessoa realmente pois ali haveria amor de verdade. Ouvir essas músicas me fizeram uma pessoa melhor, mas conectada com o mundo e com o que acontece à minha volta, e não apenas ao que se apresenta diante do meu nariz.

Espero que todos vocês curtam a SOUL MUSIC, e se não sabem tem muitos artistas internacionais que ainda se interessam por esse estilo como as minhas divas Alicia Keys e Christina Aguilera. E também cantores masculinos que tem na sua música uma levada de R&B como o Ne-Yo. Recentemente um novo artista na música mundial cantou uma canção linda do Marvin Gaye, e gostaria de compartilhar com vocês. Eu sou louca por essa música, e por esse novo cantor, David Archuleta. Confiram:



Gostaram? Quais músicas influencia sua vida? Não esqueçam: Música é Vida!!

XOXO,

Join Kids

segunda-feira, julho 12, 2010

Recebi um meme da Nanda do Lendo Sobre Livros semana passada e agora que vou postar. Sorry Nanda!!! O Meme tem por nome Join Kids e tenho que citar seis coisas que as pessoas ainda não sabem sobre mim.
Acho tão difícil esses memes onde tenho que falar de mim. Acho terrível!! Mas vamos lá né!

1) Acho que ninguém sabe que sou Costureira e uma futura Modelista/Estilista. Eh! gente, costureira sim! E adoro o que faço. Estarei me profissionalizando brevemente e espero levar o que sei e gosto aos quatro cantos da terra.

2) Já quis ser muitas coisas na minha vida: professora, bailarina, dançarina, ginasta, escrituraria, tradutora, modelo size, médica... já perdi as contas. Hoje, depois de todas essas facetas profissionais quero fazer meu curso de Modelista/Estilista, e depois quem sabe fazer Jornalismo (se eu já não tiver 50 anos até lá né kkkkkkk)

3) Tenho uma irmã pentelha 10 anos mais velha que eu, que ama desenho animado e Chaves. Ela é louca!!!

4) O primeiro livro que li na minha vida foi Marca De Uma Lágrima do Pedro Bandeira, e por muito tempo sempre quis ter amigas feias para não ter que passar por situações como a que a Isabel passou.

5) Tenho esse blog porque minha amiga Ibis sempre teve o dela - Venice Beach - onde escrevia sobre uma estória que sempre teve na cabeça. Por muito tempo eu a ajudei de muitas formas e ela me incentivou a ter um também, e foi assim que o LFM nasceu.

6) Já fui neurotica com meus dentes quando era criança, odiava tirar fotos... mas minha santa Dr. Viviane faz milagres. Agora sou narcisista!! hehehe Adoro fotos!!!!



Agora tenho que indicar mais seis blogs para participar do meme. E eles são:

Carol do Garota Que Lê
Dani do Garotas & Livros
Cibele do Eu Leio Eu Conto
Camila do Na Sua Estante
Luana do Partes De Um Diario
Bianca do Redoma de Cristal

Gostei muito de falar um pouquinho sobre mim.
Espero que gostem.

XOXO,

Entrevistando...

domingo, julho 11, 2010

Minhas ideias loucas não param de surgir. E tive uma semana passada, deu uma louca em mim e quis muito ter uma entrevista aqui no LFM. "Mas sobre o que? Sobre quem?", pensei. Aí fui visitar meus blogs favoritos e babar as entrevistas delas e a ideia que eu queria veio.... como que do além (brincadeira, acho que sempre foi um desejo meu realizar isso).

Lembrei das minhas blogueiras favoritas e seus blogs perfeitos. Percebi que muitas delas são mulheres jovens, muito inteligentes e que precisam ser valorizadas pelo que fazem. Eu como blogueira sei como é difícil manter o que vocês estão vendo, como precisamos de tempo - que na verdade não existe. Então porque não entrevistar essas pessoinhas maravilhosas que fazem nossos dias ficarem mais sorridentes e completos. E assim surgiu o Entrevistando...





Minha convidada de hoje está "perdida" por aí. Alguém a viu? Há quase dois anos perdida em meio à letras, editoras, resenhas, escritores e muitos muitos livros, seu site/blog tem por nome Lost In Chick Lit, é a pioneira do gênero no Brasil. Tem 24 anos, nasceu no dia 15 de outubro, é casada, geografa por profissão e mora em Florianópolis (SC). Adorei tê-la escolhido como minha primeira entrevista, acho que não tinha escolha melhor a fazer, mas sei também que tem muitas garotas boas por aí, fazendo excelentes trabalhos. Começou tímida, falando um pouco de si, do que gostaria de fazer, do que lhe interessava, mas conquistou seu espaço, e permanece nele até hoje. Com mais de 270 posts, 4 mil seguidores, 10 colunas, não é à toa que Lost continua sendo um sucesso. Então, vamos à nossa convidada.




Clarisse: Conte-nos um pouquinho quem é a Julianna Steffens.

Julianna: Deixei para responder essa pergunta por último porque a considero a mais difícil. Mas vamos lá: Tenho 24 anos, nasci no dia dos professores. sei tudo que você pode imaginar sobre mapas, terremotos, tornados, relevo e Marx. Alías, acho que sou a única que fica feliz quando um ciclone extratropical passa por Santa Catarina (desde que não machuque ninguém, claro!). Tenho uma capacidade imensa de gravar coisas inúteis no meu cérebro, principalmente musicas toscas e nomes de atores desconhecidos. Adoro rock, mas sou bastante eclética, da mesma forma que sou com livros. Amo uma boa comédia romântica, mas sou viciada em uma boa ficção cientifica, suspense ou ação. Já fui CDF, mas hoje definitivamente sou Nerd com orgulho (tanto que conheci meu marido jogando mmorg na internet). Considero que ficar sem internet é como ficar sem luz, desesperante. Assisto mais seriados do que consigo acompanhar. Minha tv liga no Discovery Channel e muitas vezes não sai dele. Adoro dar uma volta no shopping, mas sempre acabo comprando apenas livros ou dvds. Prefiro aprender de maneira autodidata do que ir para uma sala de aula. Bebo com moderação, mas não dispenso uma marguerita (ou um vinho tinto bem doce). Meus únicos vícios – além dos livros e dvd’s – é coca-cola, da qual juro que se ficar 1 dia sem sinto crise de abstinência. Sou naturalmente empolgada e aprecio o bom uso do humor, mas se você tentar usar a minha santa ironia só para posar de inteligente fique sabendo que comigo não cola. Se você quer me impressionar, não banque o pseudo-cult, basta ganhar de mim no Guitar Hero =x



Clarisse: Como surgiu a ideia de criar o LOST IN CHICK-LIT? Fale-nos sobre as dificuldades que enfrentou e qual é a importância dele na sua vida.

Julianna: O Lost surgiu  de um momento tédio. Eu tinha acabado de entregar o meu TCC e não tinha mais nada pra fazer até a formatura (que foi um saco by the way). Sempre amei ler e não me conformava em  não existir um único lugar na internet brasileira sobre a literatura conhecida como Chick Lit.  Criei o blog  para compartilhar minhas opiniões e empolgação sobre o que lia. E a partir daí a coisa foi evoluindo, crescendo e atingindo proporções que eu nunca imaginaria. Sobre a importância, pense só no vicio? Não consigo ficar um dia sem entrar no computador, muito menos longe do Lost.



Clarisse: Já teve algum blog/site antes do LOST? Quando começou a resenhar achou dificil?

Julianna: Não, o Lost é o meu primeiro blog, mas antes de criá-lo passei uma semana estudando e aprendendo sobre a plataforma para colocá-lo no ar. Quando criei o Lost eu estava me formando na Universidade (em Geografia na UDESC) e quando você tem que fazer uma resenha por semana de textos que vão de Marx à Castoriadis, fazer resenhas de chick lit é incrivelmente mais simples.



Clarisse: Em 2010, o site faz 2 anos no ar. Mudaria alguma coisa ou acrescentaria algo?

Julianna: Agora que o layout dos meus sonhos está pronto, acho que não mudaria nada drasticamente. Gostaria de ter mais tempo para pesquisa e colocar no ar mais posts do We Love! por exemplo (eles demandam muito tempo). Tenho idéias para outras seções, mas isso também é para o futuro.



Clarisse: Na presente data, são mais de 4 mil seguidores, 20 parcerias com editoras, 72 parcerias com blogs/sites, resenhas incríveis e posts lotados de comentários. Teria alguma coisa que você ainda não alcançou mas gostaria de alcançar?

Julianna: Nossa você contou tudo? Eu nunca tinha me dado o trabalho =x
Acredito que gostaria de transformar esse hobby em profissão. Sempre quis fazer jornalismo, mas acabei caindo de pára-quedas na geografia e me forcei a terminar, o que foi um erro crasso. Provavelmente eu volto esse ano, ou no próximo para as salas de aula!



Clarisse: Você afirmou que sua vida daria um chick-lit. Está pensando em escrever algo e concretizar a possibilidade de publicá-lo? Pode dividir isso com agente?

Julianna: Tenho pensado sim, não apenas um. Minha cabeça está cheia de ideias para pelo menos 3 ou 4 livros, só me falta a coragem para começar. É o tipo de coisa que eu viajo pensando durante o banho, depois anoto numa agendinha, mas sentar para desenvolver ainda não fiz.



Clarisse: Porque os chick-lit moldaram que você é?

Julianna: Porque me ensinaram que ao mesmo tempo que devemos sonhar com nossos príncipes encantados devemos manter o pé no chão. Não existe fonte melhor para entender as neuroses, a impaciência e a enrolação masculina do que num chick lit. Isso se só pensarmos no quesito amoroso, mas funciona da mesma maneira para várias outras coisas, como emprego, família e maternidade. Acredito que cada livro que você lê se torna uma pequena parte – voluntaria ou involuntária – do seu ser.



Clarisse: Qual a maior felicidade que o LOST já lhe deu? E porque?

Julianna: Não consigo contabilizar qual foi a maior felicidade, porque elas acontecem o tempo todo, pode ser um tweet, um comentário, um email, uma nova amizade da mesma forma que uma super entrevista, ou receber um livro autografado com carinho por um autor que você deseja conhecer, ou saber que mais alguém se sentiu da mesma maneira que você ao ler a mesma passagem de um livro. É muito subjetivo.



Clarisse: Cite 5 livros que você sempre recomenda.

Julianna: O Diário de Bridget Jones, Todo garoto Tem, Ferias!, O Clube das Chocolatras e Derby Girl....



Clarisse: Quantos livros existem na(s) sua(s) estante(s)? Algum livro te marcou profundamente? Qual e porque?

Julianna: Segundo o meu skoob (quase preciso) tenho 324 livros sem contar os técnicos ou de geografia.

Como já comentei, acho que todo livro te marca de alguma forma, alguns mais outros menos. Costumo dizer que O Diário de Anne Frank marcou a minha entrada para um mundo adulto, em que existem crueldade, morte, preconceito e tristeza, por ter se tratado do primeiro livro verídico e triste que li na minha vida, eu tinha 11 anos. Já na leitura de O diário de Bridget Jones brinco que encontrei minha casa, mesmo que na época eu não tenha pensado que escreveria sobre o assunto ou algo do gênero. Mas na realidade tenho tantos sentimentos para tantos livros que poderia escrever um livro sobre isso. Da primeira vez que li Marx, Austen, Dumas, Wilde, King...



Clarisse: As parcerias nos ajudam e também nos mostram que fazemos um trabalho muito importante; que alguém o valoriza. Qual foi sua primeira parceria? E como você reagiu?

Julianna: Foi totalmente por acaso, recebi um email da Editora Planeta perguntando se eu gostaria de receber alguns livros para ler e resenhar, além de fazer promoções. O Lost era super pequeno na época e eu fiquei abismada.



Clarisse: Os pais são peças fundamentais para nos levar nesse caminho da imaginação. Teve algum incentivo dos seus pais para a leitura? Como foi seu contato com a literatura na infância e adolescência? Gostava de ler? Qual a contribuição da sua família para o LOST?

Julianna: Quando eu nasci meu pai trabalhava em uma livraria, então desde pequena nasci rodeada de livros, tanto adultos quando infantis. Adorava a coleção Dó-Ré-Mi-Fá da Atica e meus pais viviam lendo para mim. Foi algo bastante natural, toda a minha família (principalmente a do meu pai) tinham estantes gigantescas de livros. Então cresci lendo, muitas vezes de maneira precoce, de tudo. De revista MAD à enciclopédia, de gibis da Mônica aos clássicos. Além disso, graças a deus, sempre que eu pedia – principalmente nas épocas de vacas magras quando eles não podiam comprar muitos livros - meus pais me levavam em todas as bibliotecas para pegar livros. Aos 8, eu já tinha ficha em todas daqui de Floripa, e as vezes pegava os 5 livros da minha e os 5 da ficha do meu pai, e voltava feliz para casa com os 10 livros da Vaga-lume para durar um mês.

Acho fundamental esse incentivo, e quando tiver meus filhos farei a mesma coisa.



Clarisse: Organização é muito importante para toda blogueira. Conte para agente como é seu dia e como faz para se organizar.

Julianna: Eu sou muito organizada na ordem de postagem e leitura, mas de resto não tenho uma rotina muito definida. Como trabalho de maneira freelance, uns dias tenho livre outros lotados e o tempo que passo no Lost se adapta a essa rotina. Por isso às vezes parece que fico 24 horas no computador, o que não deixa de ser uma meia verdade =x



Clarisse: O que te motiva a não desistir?

Julianna: A paixão pelo que faço, já decidi há muito tempo que é isso que eu quero fazer da minha vida – ESCREVER. E quando mais eu faço mais vontade eu tenho de fazer mais..



Clarisse: Que pergunta gostaria que lhe fizessem e qual seria sua resposta?

Julianna: Você quer ganhar o livro que você quiser pelo resto de sua vida de graça? Claro!

Você quer uma máquina do tempo para poder ler tudo que deseja e não tem tempo? Aaaaaaa não precisava, é o presente dos meus sonhos hauhauhuah



Clarisse: Em outras entrevistas, você sempre diz que gostaria que o gênero Chick-Lit encontrasse seu espaço no mercado. Acha que isso já aconteceu ou não? E porque?

Julianna: Eu acho que ele vem encontrando, vem crescendo aos poucos, mesmo que boa parte dos leitores não saibam o nome do gênero.



Clarisse: Que recado vc daria para quem é blogueira ou gostaria de se tornar uma?

Julianna: Tenha paciência! Porque no começo você vai ter um trabalhão, ninguém vai te ler ...
Mas apesar de tudo, não desista =O) Porque o retorno é super legal!






Eu adorei! E aproveitando o espaço quero agradecer a Julianna que muito cordialmente aceitou minha proposta para que essa entrevista acontecesse. E realmente ela é muito organizada (fiquei como? pasma!), em menos de 24 horas ela respondeu minhas perguntas.

Obrigada denovo Ju, foi maravilhoso!
E vocês, gostaram?


XOXO,

Vi na Livraria #1



Vou começar hoje um novo meme, que eu vi no blog da Aline - Escrevendo Loucamente. Ela como uma blogueira muito legal, deixou eu roubar. E é com muito prazer que vou mostrar para vocês o que minhas andanças pelas livrarias da vida fazem comigo (um estrago, vou logo dizendo).


"Lord Damien Sinclair, conhecido por toda a sociedade londrina como Lord Sin, é famoso por sua vida depravada, na qual não faltam jogos e mulheres. Ele se dedica unicamente ao seu próprio prazer até que sua irmã mais nova, Olivia, sofre um acidente durante uma tentativa frustada de fuga, e, além de gravemente ferida, fica com sua reputação abalada.
Lorde Sin jura vingança contra o nobre que teria causado mal a Olivia. Mas o jovem e irresponsável Aubrey Trent, ou Lord Rutherford, também tem uma irmã disposta a protegê-lo a todo custo: Vanessa Wyndham.
Após várias tentativas de acordo sem sucesso, Vanessa se oferece para ser acompanhante de Olívia, que perdeu os movimentos da perna e esta presa à cama. Lord Sin aceita que ela assuma o posto de acompanhante, mas não apenas de sua irmã, como a dele também... A condição é escandalosamente clara: para que ele perdoe Aubrey, Vanessa terá de ser sua amante. Aí começa a sedução. Mas, uma vez o acordo posto em prática, será que seus corações escaparão ilesos?"

Peguei esse livro porque uma garotas estavam olhando ele e rindo. Porque será né? hehe
Indicaram que era muito bom, e realmente pela resenha parece mesmo. Eu adoro livros assim, como um quê de sedução e mistério.
Achei uma crítica dele no blog Romances In Pink, que me fez querer lê-lo ainda mais. Quem quiser confere lá, aposto que não vão se arrepender.

XOXO,

Eu li: Escola de Sabores

sábado, julho 10, 2010

"É um romance delicado, que nos apresenta à história de oito pessoas que se conhecem em um curso de culinária e buscam resolver problemas que vão muito além da cozinha. Doce, melancólico e absorvente como um antigo caderno de receitas encontrado em um baú esquecido."

Título: Escola dos Sabores
Autora: Erica Bauermeister
Editora: Sextante
N° de Páginas: 224


Todos os meses, na primeira segunda-feira à noite, a cozinha do restaurante de Lillian se transforma na Escola dos Sabores. Ali, um grupo de oito alunos se reúne para aprender deliciosas receitas. Ou pelo menos é isso que esperam que aconteça.
Ainda criança, Lillian descobriu sua paixão pela culinária e o poder que a comida tem de tranformar e curar a vida das pessoas. Por isso, sempre que inicia uma nova turma, ela observa os alunos atentamente, em busca de sua verdadeira motivação para estar ali.
A cada aula, ela lhes apresenta um novo desafio: nada de receitas tradicionai, com quantidades definidas e descrição do modo de preparo. Em vez disso, coloca diante deles apenas alguns ingredientes essenciais e os convidada a fechar os olhos e se deixarem levar os sentidos.


O que eu mais gostei nesse livro foi o fato de falar sobre algo pouco comentado - a culinária. Quando se fala de culinária, agente pensa em livro com muitas páginas de receitas e muitas medidas.

Mas quando eu vi esse livro, eu pensei "que diferente! um livro sobre culinária que não tem receitas mas ensina sobre a vida. Eu quero ler!" E comprei sem pena e não me arrependi. Uma leitura leve sobre a magia de sabores e com muitas pitadas de amor, humor e diversão.

Eu também estava acostumada com a Editora Sextante publicando livros de auto ajuda, como e agora eu li algo tocante e muito diferente do que eu estava acostumada.

Somos convidados a entrar no mundo de Lillian, a professora e seus alunos: Claire, Carl, Antonia, Tom, Chloe, Isabelle, Helen e Tom. Muitos completamente distintos mas que se entrelaçam de uma tal maneira como os ingredientes de uma massa de bolo.

Alguns alunos chegam sem saber por que exatamente resolveram se inscrever no curso, outros procuram soluções práticas para uma vida cada vez mais atribulada. Mas ela sabe que, no fundo, todos estão em busca da resposta para problemas que vão muito além da cozinha.


Cada aluno tem uma particulariedade que te convida a descobrir o que os levou a se inscreverem no curso. Claire precisa redescobrir quem ela é depois de ter se tornado mãe; Carl e Helen vivem um casamento de muitos anos, aparentemente perfeito; Tom traz a tristeza estampada no rosto; Chloe é uma jovem cheia de autocrítica; Ian quer mais estabilidade na vida; Antonia saiu de seu país em busca de novos desafios; e Isabelle é uma senhora que enfrenta a perda de suas lembranças mais queridas.


Escola dos sabores é uma história comovente sobre o que de fato importa na vida. Você vai saborear cada capítulo e, depois de ler este livro, nunca mais fará uma refeição como antes.  E isso é uma realidade, eu comprovei isso!

Recomendo!

XOXO,

10 Livros em 10 Dias - 3° Dia

sexta-feira, julho 02, 2010

Meninas sei que estou muito atrasada. Desculpem, meu pai ficou dodoi e precisei dar uma abandonada no blog, mas estou de volta e com força total. Não vou fazer o que vi algumas blogueiras fazendo, postando dois ou três dias seguidos, acho que vocês não aproveitarão legal o post.

Hoje então é o terceiro dia do meme criado pela minha querida Luana. As regrinhas são as que estão aí embaixo e vocês podem conferir os dias anteriores também clicando no dia.

01° dia – Livro que você mais gostou;
02° dia – Livro que você mais odiou;
03° dia – Livro mais barato que você comprou;
04° dia – Livro mais caro que você comprou;
05° dia – Livro que mais te fez ter a atenção nele;
06° dia – Livro que menos te fez ter a atenção nele;
07° dia – Livro que você mais recomenda;
08° dia – Livro que você menos recomenda;
09° dia – Livro que série você mais gosta;
10° dia – Livro mais velho que você tem ou leu.



Tenho que falar do livro mais barato que comprou. Mas primeiro tenho que dizer que sou viciada em sebos, banquinhas, qualquer coisa que envolva livros, vai lá que você com certeza vai me encontrar. É sério!!!
Comprei esses dias o livro Marca De Uma Lágrima do Pedro Bandeira que eu e a Nanda amamos, por R$5.
Mais esse não foi o livro mais barato que comprei. Mês passado estive no Centro e encontrei um livro que estava doida para encontrar em português e achei. O livro do meu escritor preferido Nicholas Sparks. Esse livro eu demorei quinhentos anos para encontrar, e foi uma luta. O título é Um Ano Inesquecível, que muitos conhecem como Um Amor Para Recordar, que eu já resenhei aqui.
Minha emoção foi tanta que quase tive um troço de tanta felicidade. E ainda é de uma edição da Coleção de Livros da Reader's Digest. Adorei!!!

E fora que na verdade comprei 4 livros né! Começei a ler Um Homem Sob Medida de Linda Nichols e é muito bom. A história é linda!
XOXO,






Design e código feitos por Julie Duarte. A cópia total ou parcial são proibidas, assim como retirar os créditos.
Gostou desse layout? Então visite o blog Julie de batom e escolha o seu!